Relato de viagem: roteiro de 5 dias em San Andrés (com gastos!)

Relato de viagem: roteiro de 5 dias em San Andrés (com gastos!)

Ahh o Caribe! Sempre foi um sonho um tanto distante ($$) até o dia em que, não lembro exatamente aonde, quando, ou porquê, ouvi falar de uma ilhazinha que pertencia à Colômbia e ficava bem por ali no meio, e que tinha um mar com tantos tons de azul e verde que você nem poderia contar quantos..

Fiquei curiosa e pesquisei. Era linda, realmente! E, de acordo com os que estiveram por lá, era acessível, um destino consideravelmente barato. Mas será que era mesmo? Só tinha um jeito de descobrir…

Depois de tanto ouvir falar e pesquisar, ver aquelas fotos incríveis do famoso “mar de siete colores”, decidi que esta seria minha próxima aventura: San Andrés. Alguns meses de planejamento me fizeram perceber que a ilha era, de fato, um destino muito acessível, e que bastava algumas economias para tornar tudo realidade.

Agora conto pra vocês tudo que fiz durante meus 5 dias na ilha e provar que, é sim, muito possível ir para lá sem gastar tanto quanto se imagina normalmente para um destino caribenho!

SOBRE A ILHA

A ilha de San Andrés é a maior das ilhas que formam o arquipélago de San Andrés, Providencia e Santa Catalina e pertence à Colômbia desde 1803, apesar de se situar no meio do mar do Caribe, estando mais próxima da Nicarágua. Esta, por sua vez, já reclamou sobre a soberania do território de San Andrés e de outras ilhas adjacentes, no entanto, já foi decidido pela Corte Internacional de Justiça que o domínio deles é mesmo da Colômbia.

 




PASSAGENS AÉREAS E DOCUMENTAÇÃO

Fui para San Andrés com meu namorado no dia 27/02/17 e retornei no dia 05/03/17. Nossos voos foram pela LATAM, saíndo do Rio de Janeiro com conexão em São Paulo e Bogotá na ida, e Bogotá e Santiago na voltam. Sobre os serviços não tenho nada a reclamar, tudo dentro do padrão esperado para uma cia aérea.

Nossas passagens foram, de longe, o maior custo da viagem: R$ 2.180 reais para cada um, com as taxas. Mas há um porquê disso: nós praticamente não tivemos tempo para programar essa viagem. Queríamos muitíssimo viajar na época do Carnaval, já vínhamos planejando há um tempo isso, mas só virou algo real e possível em meados de janeiro, quando conseguimos confirmar que poderíamos tirar alguns dias a mais para viajar.

À essa altura, as passagens já estavam caríssimas, infelizmente, afinal, além de estar em cima da hora, nós estávamos indo no principal feriado brasileiro, o nosso querido Carnaval. Então, era querer demais uma promoção assim de última hora.

Mas não desanimamos! Pesquisamos muito, acompanhamos os preços das passagens diariamente durante algumas semanas e, finalmente, conseguimos achar um preço aceitável entre as datas que, de fato, fomos. Considerando ser carnaval e que compramos em cima da hora, até que saiu relativamente barato.

Conclusão: se tivéssemos pago o valor normal que se acha em promoção para lá, teríamos gasto metade do nosso orçamento total. Por isso, não considero um destino caro, e sim muito acessível! Constantemente há promoções de passagens para San Andrés e, podendo planejar com antecedência, você facilmente gastará entre R$ 900 a R$ 1.500 por pessoa, já com taxas, nas passagens aéreas. Então, é sim, muito barato, só pesquisar e acompanhar! O site Melhores Destinos sempre anuncia estas promoções, vale conferir!

Outra questão que compensou o preço das passagens foi que a nossa volta, talvez por estarem esgotando os lugares, a tarifa era da Premium Business, e além da viagem ryqueza, conseguimos acesso à sala VIP da LATAM nas duas conexões que fizemos. Nunca tinha nem sonhado em viajar de Executiva na vida, então curti hahaha #valeulatam

Nós não levamos passaporte, somente RG e foi tudo muito tranquilo! Eu já sabia que não teria problemas, mas vejo muitas pessoas com essa dúvida e só posso reiterar: NÃO precisa de passaporte**, o seu documento oficial será o RG e o papel que recebe da imigração, somente! Apenas leve o RG o mais atualizado possível e bem conservado que não terá problema algum.

ATENÇÃO!** Para vôos com conexões no Panamá PRECISA de passaporte, pois o Panamá não possui acordo com o Mercosul.

Tarjeta de turismo: Necessária para entrar em San Andrés, e você compra no próprio balcão da sua companhia aérea. Compramos no balcão da LATAM durante a conexão em Bogotá e saiu por 105.000 pesos colombianos para cada um (aproximadamente 35 dólares com a cotação a  1 real – 3,25 dólares. Também aceitavam o pagamento em dólar, aliás.

Imigração em Bogotá: de longe a mais caótica que já passei. Não sei se dei azar ou azar haha, mas a fila tava ENORME e demorou muito mais do que eu havia calculado. Não gostei do aeroporto de lá, não achei muito funcional, mas ok, nada que tenha incomodado muito.

Certificado internacional de vacina contra Febre Amarela: Não me pediram o certificado, apesar de eu ter. Mas é bom acompanhar, já que com o surto atual, a situação pode mudar a qualquer momento e eles passarem a exigir.

DINHEIRO E GASTOS NO GERAL

Levamos para gastos iniciais 200 dólares para os dois, para trocar no aeroporto de Bogotá e saiu 1 dólar por 2.700 pesos colombianos na cotação. Achei essa cotação horrível, mas era o que tinha e não podíamos sair do aeroporto porque a conexão era curta (se puder, saia e troque em outra casa de câmbio). 200 dólares = 540.000 pesos colombianos, o que dava mais ou menos 650 reais na época.

O restante do dinheiro depositamos tudo via Western Union, com uma cotação de 1 real – 900 pesos, e foi muito excelente!

Para quem não conhece, a Western Union é uma empresa que permite fazer transferências internacionais com taxas bem mais atrativas. Há lojas espalhadas em todo o Brasil, e a loja de departamento Riachuelo oferece o serviço deles. Fui em uma Riachuelo e foi tudo muito rápido e fácil. Você deposita o dinheiro em reais (tem que ser dinheiro vivo, não aceitam cartão) no balcão com o funcionário responsável, e o sistema já converte para a moeda que você quer, no meu caso, pesos colombianos.

Esse dinheiro convertido você vai sacar quando já estiver no país de destino. O legal é que você já sabe exatamente quanto vai sacar quando chegar lá, não há variação cambial nesse tempo. Da data em que você faz a transferência, você tem no máximo 30 dias para sacar lá fora. Eu fiz faltando apenas dois dias para viajar, por exemplo, pois o dinheiro já fica disponível em questão de minutos. Você recebe um comprovante da transação, com um código e é com este comprovante que você vai sacar o dinheiro depois, portanto, não o perca!

As taxas variam de acordo com a quantia que você depositar, mas, no geral, é muito mais vantajoso, pelo menos para quem vai para San Andrés. Nós depositamos R$ 1.500 reais para nós dois, e sacamos aproximadamente 1.350.000,00 pesos colombianos. Era o que tínhamos para sobreviver por lá, haha.

OBS 1: Não vale a pena levar pesos colombianos do Brasil, a cotação é péssima.

OBS 2: Em San Andrés, sacamos o dinheiro na loja Western Union que fica em uma galeria em frente ao Hotel Casablanca, muito conhecido por lá, fica no centro e perto da orla principal. Para sacar o dinheiro, precisamos apenas do RG e não pagamos nenhuma taxa adicional.

OBS 3: Usamos o cartão de crédito pouquíssimas vezes, apenas para gastos do último dia, como souvenirs, e para pagar parte da nossa hospedagem.

HOSPEDAGEM

Como comentei lá em cima, fechamos tudo de última hora e por causa disso, outro impasse que tivemos foi sobre lugar para ficar, já que em meados de janeiro praticamente todas as melhores opções da ilha pro Carnaval estavam esgotadas.

Pesquisei no Booking sem muito otimismo, mas ele, que nunca me decepciona, acabou nos salvando: achamos uma pousadinha com um preço excelente em quarto de casal, com boas avaliações, porém sem café da manhã e um pouquinho longe do centro.

Resolvi arriscar e valeu MUITO a pena! A pousada se chama The Rock House Hostel, e gente, os donos são AS MELHORES PESSOAS DA TERRA! Simplesmente uns amores, me senti filha deles durante 5 dias! Queridíssimos e super prestativos, nos ajudaram em tudo e mais um pouco! A pousada é super simples mas muito aconchegante, o quarto tem um ar condicionado que CONGELA REAL, e tínhamos ainda uma área compartilhada com sofá, TV, mesa e cozinha. Outros 2 casais compartilhavam essa área, mas cada um com seus respectivos quartos. Muito tranquilo!

A diária saiu 130 reais para DUAS pessoas e o total de todas as diárias foi de 650 reais, que acabou convertendo para 600.000 pesos no próprio Booking. Pagamos em peso ao chegar na pousada. A pousada fica mais ou menos 40 minutos andando do centro, mas eu não andei em nenhum dos dias, usamos ônibus, táxi e até carona que os donos oferecem em alguns horários.

OBS: A grande maioria dos chuveiros na ilha possuem água salobra e gelada. Eu sou uma pessoa que ODEIA banho gelado. Mesmo. Eu moro do Hell de Janeiro e eu conto no dedo quantas vezes tomo banho gelado, mesmo no verão. Mas eis que mesmo com a minha vasta experiência com o verão carioca, eu consegui me surpreender com o calor que faz em San Andrés. O SOL QUEIMA MUITO. Chegava morrendo de calor na pousada, e só o que eu desejava era o bendito banho gelado! Então, se você pegar bons dias de sol lá, não vai se importar com banho quente, acredite! Detalhe: lá ventava, muito, ainda sim, era um calor do cão.

PASSEIOS

A ilha tem várias opções de passeios, mas com os poucos dias que tínhamos, tivemos que escolher a dedo o que queríamos fazer. Aqui só quero deixar registrada a minha felicidade IMENSA de ter sido agraciada por TODOS os dias com sol, céu azul e vento, e o que possibilitou a gente fazer todos os passeios que queríamos tranquilamente. Mas a ilha tem tempo instável, é normal fechar o tempo do nada, cair uma chuva, e de repente abrir um céu azul e sol de rachar. Isso aconteceu praticamente todos os dias, mas era NORMAL, acontece muito mesmo e dura poucos minutos no geral.

A pessoa que nos ajudou a reservar todos os passeios é o Ivan ou Pollo como é conhecido por lá. Ele é gente boa demais, e apesar de ter cobrado um pouco a mais pela comissão, valeu muito a pena mesmo fechar com ele, fizemos um verdadeiro amigo lá. Super recomendo ele! Contato: +57 301 2571528

—> 28/02/17 (primeiro dia)

Pegamos um ônibus para o centro por volta de 9 horas da manhã (passa toda hora os ônibus), e em 10 minutos estávamos no centro. Sacamos o dinheiro na Western Union, compramos sapatilhas para nadar (15 mil pesos cada uma, é necessário por causa da barreira de corais) e tomamos um café da manhã (18 mil pesos suco e lanche para 2 em uma vendinha).

Alugamos uma Scooter com o Ivan por 60 mil pesos das 11 da manhã até as 18 horas e fomos dar a volta na ilha toda. Meu namorado tem experiência com moto então foi tranquilo para nós, e sinceramente, uma delícia! O trânsito é um caos digno de Índia, mas é só andar um pouco que você acostuma. Fazer essa volta É SENSACIONAL! É lindo, lindo, simplesmente incrível como a cor do mar vai variando desde a praia principal até a o sul de ilha onde é mais clarinha e depois em direção a West View aquele azulão escuro! De tirar o fôlego mesmo!

Decidimos neste dia ficar em West View (4 mil pesos cada um a entrada) e que lugar delícia! Muitos peixes, s, água azul num tom que nunca tinha visto na vida e uma visibilidade de 10 metros incrível! Cheguei a subir no trampolim mas arreguei HAHA, muito alto, não rolou. Pra quem curte pular é show! Escorreguei uma vez no toboágua mas sinceramente nem achei tão legal assim, a queda não é muito agradável.

OBS 1: POR FAVOR, NÃO DÊ PÃO PARA OS PEIXES! ELES TE DÃO NA ENTRADA PARA JOGAR, É MUITA DESINFORMAÇÃO, TINHA PEDAÇO DE PÃO BOIANDO NA ÁGUA! PRA QUE ISSO? SÓ FAZ MAL PARA ELES. Vamos ter mais noção, por favor! 🙂

—> 01/03/17 (segundo dia)

Fomos à famosa ilhota de Johnny Cay. Optamos por fazer o passeio o dia todo (9 da manhã até às 15 horas) e pagamos 20 mil pesos por pessoa também com o Ivan + a taxa de entrada na ilhota, 5.000 pesos cada. Johnny Cay é linda demais, de fato uma ilha paradisíaca. Porém, a chegada e saída da ilha é algo para o qual você deve estar preparado.

Antes de ir eu li aqui várias vezes que era caótico chegar e sair da ilha e pude ver que é mesmo! O embarque/desembarque não tem um píer nem nada, os barcos param um ao lado do outro e você sai do barco direto na praia mesmo. SÓ QUE O MAR É AGITADO!

A onda bate e balança barco e tudo, então eu realmente achei bem perigoso, principalmente na hora da volta. Eu juro que queria ter filmado essa cena porque é MUITO BIZARRO. As pessoas ficam desesperadas tentando entrar no barco pra ir embora (acho que com medo que o barco as deixe lá para sempre, SEI LÁ), e os guias simplesmente tacam você no barco igual peixe! Eu nem vi quando o cara me segurou no colo e me jogou, eu comecei a rir de nervoso. Os barcos são bem fundos, então é uma altura pra subir sabe? Com o mar agitado os barcos ficam batendo uns nos outros, e pode acabar “esmagando” uma pessoa ali distraída.

Enfim, sem querer botar pânico (mas já botando HEHE), é um negócio bem desorganizado mesmo, perrengue de leve, e se você vai com idoso e/ou crianças já fica esperto porque vai ser difícil. De qualquer forma vale a visita, a ilha é maravilhosa, bem Bob Marley vibes. Achei um pouco cheia só, mesmo depois do horário de pico da galera e o mar muito agitado, não muito bom pra nadar (pelo menos no dia que eu fui).

O barco molha no trajeto, mas num é nada surreal não. Eu sentei bem no meio e não tive problemas com pertences nem nada! Molha só por fora a mochila, como se fosse uma chuvinha mesmo.

Neste dia almoçamos na própria ilha de Johnny Cay, em uma das barraquinhas onde também deixamos nossos pertences para nadar (não tivemos problemas com isso, mas algumas pessoas são roubadas, então, tome cuidado sempre). O almoço saiu 25.000 pesos para cada um um prato com peixe empanado, arroz de côco e plátanos (banana verde frita). É a comida mais típica de lá e estava uma delícia e bem servida.

—> 02/03/17 (terceiro dia)

Fomos visitar o Aquário e a ilhota de Haynes Cay: SIMPLESMENTE O MELHOR PASSEIO DE TODOS! Eu amei o Aquário de uma forma que não sei descrever em palavras haha. Que lugar é aquele? Água CRISTALINA E AZUL CLARO/PISCINA, UMA LOUCURA DE BONITO. Perfeito, pequeno pedaço de paraíso total. Ótimo lugar para fazer snorkel também, o mar já é bem mais tranquilo, mesmo com ventos, não é nada comparado à Johnny Cay. É uma piscina real, com muitos peixeis em volta de você, muito legal mesmo.

Gostamos tanto que não nos contentamos com o pouco tempo que tínhamos. Nós pagamos 15 mil pesos cada pessoa para ficar de 9 até às 14:30 e fechamos também com o Ivan. Mas eu queria ficar mais, e por isso comecei a sondar os locais se haveria essa possibilidade. Um deles me ofereceu volta no barco dele as 17:30, por mais 20 mil pesos. Eu aceitei sem pensar duas vezes! De fato nós conseguimos ficar até esse horário, e foi a melhor coisa, pudemos ir com calma à ilhota de Haynes Cay, que fica em frente, almoçamos por lá, e tivemos o Aquário só pra gente depois que os grupos começaram a ir embora.

Acabamos saíndo de lá por volta de 18 horas em um barco que não sabemos até hoje de quem era haha, mas não era do cara que tínhamos combinado. Não tivemos que pagar nada e ainda ganhamos um tour pelos Manglares gratuito! Moral da história: voltei realizada porque passei o dia todo naquele lugar maravilhoso.

Nosso almoço nesse dia saiu um pouco mais caro, pagamos 30.000 pesos por pessoa no restaurante em Haynes Cay, mas a vista e a comida compensou demais! Tudo perfeito.

—> 03/03/17 (quarto dia)

Havíamos reservado, no primeiro dia na ilha, o Parasail para este dia, também com o Ivan, para as 9 da manhã. Pagamos 160 mil pesos cada, mas acho que se fechar com o Ricardo, o responsável pelo passeio, pode sair mais barato. Disparado, é o passeio mais caro que fizemos e um dos mais caros da ilha. VALEU A PENA DEMAIS! Maravilhoso, muito muito incrível a paisagem lá de cima.

Confesso que bateu um medinho de leve antes de subir, mas é muito tranquilo, você nem sente! O vento estava perfeito para fazer o passeio também! Só alerto para quem costuma enjoar com mar, barco, e tudo, para tomar um remedinho. Eu enjoei depois que voei, e felizmente uma das meninas do barco, que era brasileira, me deu um remédio, daí ninguém teve que assistir a uma cena desagradável hahaha.

Neste dia também aproveitamos a tarde livre para ir até a praia de Rocky Cay. A praia em si não me agradou tanto, é linda, mas achei muito cheia e suja. Tem um clube perto, que não me lembro o nome, então, tinha muita gente, muita criança e eu confesso que estava tentando fugir dessas muvucas.

Fizemos a travessia para a ilhota de Rocky Cay, que fica exatamente em frente à praia e tem um navio naufragado perto. Porém, quando chegamos lá, a maior decepção da viagem: não tinha NADA. O maré estava alta e o mar super agitado, tanto que a própria travessia já foi meio complicada. Chegando lá era impossível nadar em volta da ilha, muito menos perto do navio. Tirei algumas fotos, mas voltei em questão de poucos minutos, não valia a pena ficar ali. Acredito que em dias mais calmos, com menos vento, seja maravilhoso, mas para nós foi super dispensável. Deveríamos ter ficado em outra praia.

—> 04/03/17 (quinto dia)

Nosso último dia na ilha (DEPRESSÃO) e aproveitamos que nosso voo era no final da tarde para curtir mais um tiquinho. Alugamos uma Scooter com o pessoal da pousada por 50 mil pesos de 9 da manhã até às 14 horas e fomos até West View novamente, porque havíamos gostado muito de lá. Chegamos cedo, então tava bem vazio, mas logo chegaram aquelas excursões e acabou a nossa paz hahaha. De qualquer forma, aproveitamos bastante, mesmo com as mesmas pessoas mal educadas te empurrando pra subir na escadinha sem pedir licença e jogando pão pro peixe passar mal.

OBSERVAÇÕES FINAIS:

> Não fomos na Piscinita porque ela estava fechada por causa de obras na pista em frente, ou pelo menos foi o que eu entendi. Não procurei saber se ela abriu novamente durante minha estadia lá. West View pra mim já foi o suficiente e dizem que são praticamente a mesma coisa.

> Também não ficamos na praia principal Spratt Bright, não fiz questão, mas é uma praia muito bonita e com bastante opção param consumir, já que é a praia mais movimentada. A praia de San Luis, também excelente, só passamos por ela, mas pareceu ser melhor que Rocky Cay, gostaria de ter aproveitado mais. Não tirei foto no letreiro porque não achei aquilo grande coisa hahaha, mas tá lá pra quem quiser.

> Por causa do nosso orçamento limitado, não comemos em lugares incríveis. Fizemos bastante compras no mercado (BARATOOO) e jantávamos e tomávamos café usando a cozinha da pousada mesmo. Almoço geralmente em restaurantes simples em beira de praia, mas sempre com a comida deliciosa e bem servida, uma média de 25 mil pesos por pessoa. O único restaurante diferentão que comemos foi o Peru Wok, porque foi muito recomendado e, de fato, MARAVILHOSA a comida. Recomendo além do Ceviche clássico, o Lomo Saltado (33 mil pesos por pessoa, se não me engano), também clássico peruano, que eu nunca imaginei que ia comer um melhor em San Andrés do que no próprio Peru.

> Lá é a verdadeira terra da muamba. Pra quem quer fazer compras, estará no paraíso. Muita lojinha de produtos importados, chega a ser difícil escolher uma. Eu não vou recomendar a melhor porque não entrei em nenhuma haha. Mas, pra não dizer que sou mochileira mão de vaca, comprei 3 Pringles diferentonas (não vendem no Brasil) por 17 mil pesos as 3 and souvenirs baratinhos.

> As bolsas Wayuu mais bonitas que vi foram na feirinha em frente ao porto onde saem os passeios. Aliás, lá eu achei o melhor lugar pra comprar os souvenirs no geral, e eu rodei bastante. Preços dos souvenirs mais baratinhos em geral cerca de 10 mil a 30 mil pesos, e da bolsa que eu comprei foi 75 mil pesos, um pouco mais cara, ainda assim, barata perto das que vendem em lojas mais sofisticadas.

> TOME A LIMONADA DE COCO QUANTAS VEZES PUDER PORQUE É SÓ AMOR

> Não gostei da bebida alcoólica típica de lá, a Coco Loco. Não gosto de licor, mas você pode gostar, então, vale pedir um e experimentar.

> Queríamos muito ter aproveitado mais a vida noturna, porém, nosso tempo era limitado e demos preferência ao dia. Logo, não saímos nem nada, os passeios cansam bastante. Mas lá tem algumas (poucas) opções para sair, para quem quiser.

> Taxi lá é barato, mas os taxitas são bem enjoados, pra variar. Nós gastávamos exatamente 10 mil pesos (+ou- 11 reais) em uma corrida do centro para a nossa pousada.

> O ônibus passa com bastante frequência. Eu esperava algo muito pior, mas toda hora eu via ônibus rodando, sem brincadeira. Então se você quiser ter uma experiência mais local e barata de transporte, vale a pena. Acho que param de rodar depois das 19 horas. Eles custavam 2.500 pesos por pessoa, muito barato mesmo.

> MULHERES QUERIDAS! Seus cabelos vão ficar um horror de desidratados por causa da água. Então sugiro levar o máximo de cremes possíveis para fazer uma hidratação no banho, ou até mesmo comprar lá. O cabelo fica duro mesmo, sendo que o meu tem luzes e por isso ficou até pior que o normal. Usei muito as ampolas da Pantene, e resolveu em parte. Meu namorado que tem o melhor cabelo que eu conheço, sempre macio, ficou com cabelo podre também, então, homens, se preparem igual haha.

> Use e abuse de filtro solar E hidrate seus lábios o máximo que puder! A ilha é MUITO quente e a água do mar muito salgada!

> CAYO BOLÍVAR ESTÁ FECHADO TEMPORARIAMENTE PORQUE ESTAVAM DESTRUÍNDO AQUELE LUGAR, ENTÃO NÃO FINANCIE OS PASSEIOS CLANDESTINOS. TEM MUITOS LUGARES INCRÍVEIS PRA CONHECER, NÃO VAI FAZER FALTA, ACREDITE, DEIXE A NATUREZA RESPIRAR. ELA AGRADECE!

CONCLUSÃO

Achávamos que 5 dias na ilha seria muito pouco. Não foi. Lá o tempo, por incrível que pareça, rende bastante. E se você sair cedo todos os dias para ficar passeando até o sol ir embora, meu amigo, você vai aproveitar muito, muito mesmo. E foi o que aconteceu conosco. Nós conseguimos aproveitar tudo que queríamos com calma, sem pressa, e no final das contas achei que sobrou tempo.

Se você tiver mais tempo lá vale fazer os passeios que não fizemos (mergulho com cilindro, por exemplo), ou tirar dias para ir até Providencia. Eu teria ficado mais 5 dias lá fácil, mas faria esse esquema. Acho que aproveita-se BEM San Andrés em uma média de 7 dias, mas o que vai acontecer é que você vai querer ficar lá para sempre, então quanto mais tempo tiver, melhor!

Como já disse no começo do relato, achei a ilha, no geral, um destino muito barato para se conhecer. Facilmente se gasta o que gastamos, dentro do próprio Brasil em alta temporada, dependendo do lugar. Posso dizer, tranquilamente, que não passamos vontade, nada, fizemos o que queríamos fazer, comemos bem, e fomos muito felizes nos poucos dias que estivemos por lá, mesmo optando por um estilo mais simplório de viagem.

Não especifiquei todos os gastos, mas no total, incluindo tudo o que gastamos com comida, bebida, hospedagem, passagem, passeios e comprinhas, os gastos, foram, aproximadamente, R$ 3.500 por pessoa! Isso porque nossas passagens foram caras. Dá pra gastar ainda menos 😉

San Andrés é um lugar simples, de pessoas simples. Não espere luxo demais, glamour, nem organização demais. Não tem isso lá. Mas sabe o que tem? UM MAR DE SETE CORES QUE VOCÊ NUNCA MAIS VAI VER NA SUA VIDA (só se voltar, rs). UMA PAISAGEM INCRÍVEL. UMA VIDA MARINHA SUPER RICA. CUIDE DISSO! PRESERVE ISSO!

SÓ VAI!

Comentários

Comentários

Advogada, apaixonada por viagens, praias, trilhas e fotografia. Sempre em busca de um novo destino, de mochila nas costas e vontade de ganhar o mundo!



1 thought on “Relato de viagem: roteiro de 5 dias em San Andrés (com gastos!)”

  • Parabéns! Bem explicado, super detalhado dando as dicas perfeitas e será que é assim (quente) o ano inteiro? Ser for , fora da temporada ficará bem mais barato!
    Só faltou transformar peso em real para ser ter uma melhor ideia do valor do Real!
    Estou doido prá ir lá com a esposa, problema é o trabalho dela. Eu? Eu estou aposentado! 😀

O que achou desse post?


%d blogueiros gostam disto: