Pensar para não pagar ou pagar para não pensar? Sobre como economizar e viajar mais – por Márcia Botelho

Pensar para não pagar ou pagar para não pensar? Sobre como economizar e viajar mais – por Márcia Botelho




Olá gente! Hoje vou falar sobre dicas que você só aprende depois de adquirir um pouco de experiência viajando.

Existem dois tipos de viajantes: os que pensam para não pagar e os que pagam para não pensar.

Os primeiros tentam pensar em diversas alternativas para economizar. Tanto no planejamento da viagem com hospedagem e transporte quanto solucionando emergências e contratempos.

Já o segundo tipo de viajante é aquele que viaja menos e tem menos experiência. Justamente porque os seus gastos são altos não é possível viajar com mais frequência. Esse tipo paga para não pensar. Ou seja, escolhe o mais fácil e o que está a mão (que quase sempre é o mais caro). É o que compra um souvenir na barraquinha ao lado do monumento (e não em uma mais afastadinha) e normalmente não curte sair por aí visitando os lugares fora do circuito padrão turístico dos lugares.

Eu já fui do segundo tipo de viajante e perdi muito dinheiro em viagens pouco aproveitadas. Até que conheci um viajante que aos trancos e barrancos (!) mudou a minha forma de ver uma viagem.

Em Pipa no Rio Grande do Norte aprendi que não precisava pagar 200 reais para um barco me levar para ver golfinhos. Foi necessário somente pesquisar no Google a localização da tal praia, caminhar uma hora pelo litoral e ter a experiência de NADAR com os golfinhos. Enquanto as pessoas que pagaram para chegar até lá assistiam de longe sentados no barco.

Você não precisa estar no país com o metro quadrado mais caro da Europa pra esquiar. Existem opções fora do roteiro básico dos brasileiros muuuito mais baratas para ver neve e esquiar, como, por exemplo, Andorra. Andorra é um país entre a Espanha e a França, não pertence à União Europeia e só tem como chegar de transporte terrestre.

Você já percebeu que a melhor coisa que tem é viajar em baixa temporada? Hospedagem mais barata e pontos turísticos sem fila! Falando em destinos nacionais, para o litoral a alta temporada é o verão, então é legal viajar um pouco antes (novembro/dezembro) ou um pouco depois (março/abril). Conheci Natal-RN em novembro e Arraial do Cabo-RJ em dezembro. Para lugares de montanha a alta temporada é no inverno, por isso é mais econômico viajar em maio/junho ou agosto/setembro. Já fui para Gramado -RS nos meses de agosto e dezembro e para Venda Nova do Imigrante e Pedra Azul (Espírito Santo) em abril.

Sobre viajar para Europa, pra quem não gosta do frio, em abril/maio ou outubro/novembro é mais barato e ainda não ta super frio. Minha felicidade foi entrar no Museu Van Gogh em Amsterdam sem filas. Não era milagre…era fevereiro! Eu todos esses lugares fora da alta temporada, eu consegui fazer os passeios que eu queria com mais tranquilidade e aproveitar os pontos turísticos sem estarem lotados de gente.

Última dica: andar de ônibus e metrô é a melhor saída pra se locomover. E se você saltar na estação errada: mais uma oportunidade pra passear e conhecer lugares novos. Se tiver uber na cidade é uma opção mais confortável e econômica.

É isso gente! Espero ter ajudado.

Qualquer dúvida vocês me encontram lá no instagram @quandoelavolta

Beijocas e até o próximo post!

Márcia Botelho

@quandoelavolta




Comentários

Comentários

Mulheres tão particulares, com um único objetivo em comum, viver as melhores (e maiores) aventuras já vistas. Juntas ou sozinhas, nós queremos é viver! E compartilhar nossas experiências para que possamos inspirar cada vez mais, outras mulheres.



O que achou desse post?


%d blogueiros gostam disto: