Cabo Frio Na Estrada com as Minas Rio de Janeiro

O QUE FAZER EM CABO FRIO: TRILHA ILHA DO FAROL VELHO, PRAIA BRAVA E MORRO DA GUIA

PRAIA BRAVA

Quem nos acompanha nos stories do Instagram – ainda não nos segue? Não acredito! Corre lá @naestradacomasminas – pôde acompanhar recentemente nossas aventuras em Cabo Frio. Nós fomos conhecer uma grande amiga virtual que agora deixou de ser virtual – risos – e aproveitamos para explorar as maravilhas da região.

Para quem não conhece, Cabo Frio é um município da Região dos Lagos do Rio de Janeiro muito conhecido por seus antigos Carnavais – saudades eternas do Cabo Folia – que acabou perdendo um pouco de espaço com a popularização de Arraial do Cabo, mas que é tão lindo quanto ou até mais, arrisco dizer.

A cidade se popularizou como um influente polo turístico e tem grande atuação no cenário estadual, sendo uma parte muito importante na rota de turismo fluminense, e o principal destino da chamada Costa do Sol.

Com tantas belezas naturais, não podíamos deixar de conferir tudo mais de perto. Na companhia da Essência Lagos nós fomos conhecer a Trilha do Farol e a Praia Brava e depois ainda demos um pulinho no Morro da Guia. Vamos conferir?

Trilha Ilha do Farol Velho

Para fazer a trilha da Ilha do Farol Velho, encontramos a Cristina, a Guia argentina que nos acompanhou nesse passeio e responsável pela Essência Lagos no Cais dos transatlânticos, lá pegamos um táxi aquático para fazer a travessia para a Ilha do Japonês. A travessia nos táxis aquáticos inicialmente era feita por pescadores locais que cobravam R$ 5 por pessoa, no entanto, ano retrasado um empresário trouxe os táxis marítimos e a prefeitura regulamentou e aumentou a tarifa para R$ 20.

A área que rodeia a trilha do Farol e a Praia Brava foi declarada uma reserva em 2014 por haver muita especulação imobiliária. Como eles precisavam preservar os mangues e os moradores locais, uma atitude mais rigorosa precisou ser tomada.

Seguimos até o fim da Ilha do Japonês para começar a subir a trilha, que tem caminhos irregulares de terra e algumas inclinações, a subida dura em média uns 50 minutos, parando na metade para admirar a vista tranquilamente. Lá de cima a vista é sensacional, dá para avistar os lugares mais belos da Região dos Lagos, a Praia do Forte com a areia mais branca que já vi, Arraial do Cabo e o famoso Pontal do Atalaia, Búzios de longe, e a Ilha dos Papagaios bem de frente, e aos nossos “pés” a Ilha do Japonês. Chega um momento da trilha que a mata é bem fechada, então sugerimos que você vá de legging para evitar além dos mosquitos, a pinicação das plantas. No caminho têm muitos espinhos, é preciso um pouco de atenção e cuidado ao subir essa trilha.

Quando chegamos lá, podemos observar as belezas da região e o antigo farol desativado, assim como as ruínas do antigo cuidador da região, lá de cima avistamos ainda o Forte de São Mateus do Cabo Frio. Vale muito a pena conferir! Quando chegamos lá em cima, aproveitamos a sombra do Farol para fazer um pequeno piquenique e conversar um pouco mais com a Cristina sobre o turismo local.

Praia Brava – Praia de Nudismo

Saindo da trilha do Farol tem um caminho “mais rápido” de chegar à Praia Brava, a famosa praia de nudismo de Cabo Frio, mas nós NÃO recomendamos por ser muito perigoso, o caminho é feito por uma trilha de pedras em terreno em declive.

Nós preferimos seguir pelo caminho mais longo e mais seguro, como havia chovido recentemente encontramos algumas regiões bem lamacentas e outros caminhos até com poças, mas em um dia seco a caminhada será bem tranquila em meio à natureza. Nós recomendamos que você não vá sozinho, se puder vá em grupo! Tomamos um susto, pois tinham uns moleques tentando assustar os turistas, mas tudo não passava de uma brincadeira de mau gosto.

Foto: Andrea Azevedo (@varias_viagens)

Tem uma região na trilha onde encontramos também mata fechada, por isso, todo cuidado é pouco, para chegar até à praia precisamos descer um caminho de pedras para recebermos o maravilhoso presente que é essa praia.

Cercada por escarpas de uns vinte metros de altura, com quatrocentos metros de extensão, de areia fofa e branquinha e mar selvagem a Praia Brava é famosa e dividida por surfistas e nudistas. No dia que fomos estava bem vazia e a água quentinha, vale a pena a visita. A Praia Brava fica entre a Ponta do Peró e o Morro do Farolete (Ogiva).

BÔNUS** Ilha do Japonês

Ao voltar da Praia Brava aproveitamos para atravessar a Ilha do Japonês a pé e caramba! Que experiência.

A história que contam é que morava um japonês na Ilha artificial para caçar baleias, mas isso não passa de uma lenda. Na realidade a ilha foi construída por Palmer, um francês que tinha vários investimentos na região, ele drenou o canal todo para retirar barrilha da lagoa, permitindo assim a passagem de navios para a retirada de matéria-prima, depois de um tempo a vegetação foi se formando por conta dos passarinhos que sobrevoavam a área e deixavam sementes. Hoje a Ilha do Japonês é muito procurada por turistas que buscam um lugar tranquilo, de águas claras para sossegar ou praticar Stand-up ou andar de caiaque e até por famílias por se um lugar tranquilo para as crianças brincarem.

QUER SABER MAIS SOBRE A ILHA DO JAPONÊS? LEIA AQUI

Morro da Guia

Durante a trilha, a Cris contou pra gente uma história muito interessante sobre os “Caminhos de Darwin”, sim esse Darwin mesmo que você está pensando. A história conta que, em sua viagem pelo mundo a bordo do navio Beagle, esteve no Brasil em 1832, passando por vários pontos no Rio de Janeiro, inclusive o Morro da Guia, em Cabo Frio.

A história do Morro da Guia também é muito interessante, reza a lenda que as mulheres antigamente não podiam entrar no convento, e em Cabo Frio existia o convento Nossa Senhora dos Anjos, no Largo do Santo Antônio que só os homens podiam frequentar, mas quando os maridos dessas mulheres saíam para pescar elas queriam rezar para a Nossa Senhora da Guia, mas não podiam já que a presença delas não era permitida dentro do convento, uma noite, uma dessas mulheres invadiu a igreja e levou a Santa para o alto do morro onde as mulheres rezaram incansavelmente madrugada adentro. Quando amanheceu e todos perceberam o ocorrido estranharam por não haver nada que pudesse explicar aquela situação que se sucedeu por vários dias. Algum tempo depois o convento desistiu de tentar “resgatar” a santa no alto do morro, por entender que “ela queria ficar por lá” e construíram uma capela em 1970 em cima do monte que passou a ser chamado Morro da Guia, possibilitando assim que as mulheres pudessem pedir uma intervenção divina pela vida de seus bravos pescadores.

O Morro da Guia nos oferece uma vista panorâmica de Cabo Frio e nos presenteia com um pôr-do-sol inesquecível e uma imagem em 360° de tirar o fôlego!

SE VOCÊ QUER CONHECER CABO FRIO DE UMA FORMA DIFERENCIADA ENTRE EM CONTATO COM A ESSÊNCIA LAGOS PARA TER ALÉM DE UM PASSEIO, UMA EXPERIÊNCIA ÚNICA.

CONTATO:

Cristina Kronsteiner

Instagram: @essencia_lagos

Telefone: 22 997113344

Comentários

Comentários

Camila Santos

Cami Santos, mãe da Clara, carioca com alma de cigana, ariana dos pés a cabeça, 22 anos. Estudante de Jornalismo, feminista negra interseccional, escritora e apaixonada por moda, viagens, fotografia e música.

«

»

1 COMMENT

O que achou desse post?

  • Pingback: Escuna Bracuhy: um mergulho nos mares de Cabo Frio/Rj – Na Estrada com as Minas on 18/03/2018