Malásia: Sendo Roots em Langkawi – por Andrezza Nascimento

Malásia: Sendo Roots em Langkawi – por Andrezza Nascimento
Fala gurias lindas desse meu Brasil  e mundo. Hoje conto para vocês minha experiência numa Ilha chamada Langkawi, na Malásia. Não é uma trip que muitos brasileiros costumam fazer, por isso achei que o relato poderia ser útil para quem, um dia, gostaria de conhecer esse local mágico.
Voamos de Kuala Lumpur até Langkawi de AirAsia e pagamos AU$19. Já tínhamos reservado um hostel em Pantai Cenang (que é a cidade mais bem preparada para o turista). No aeroporto (que é bem pequeno) decidimos alugar uma moto para chegar até Cenang. Conseguimos fechar um acordo de 85 MYR (R$ 65,00 por 3 dias). Achamos a melhor maneira, pois se você pegar um táxi e deixar para contratar o serviço na cidade, igual vai gastar com o taxista, que tem preço tabelado de 30 MYR.
Com a moto é tudo liberdade e alegria, né. Com ela você consegue se deslocar com muita facilidade por toda a ilha e para encher o tanque gastamos 8 MYR (R$ 6,00). A parte norte é bem rural e pouco turística, com praias e cachoeiras. O completo oposto da parte sul, onde tem o porto e muitos visitantes.
Nós conhecemos a chamada 7 Wells Waterfall e foi bem bacana. Caminhada de cerca de 10 minutos e não paga nada. Demos sorte, pois éramos os únicos por lá, durante a manhã.
  
 7 Wells Waterfall
Na viagem, vale ficar com o olho bem aberto. Passamaos por pelo menos 2 templos muito lindos e se não parássemos, não teríamos tido uma experiência tão maravilhosa. Um templo era budista e o outro Hindu (cheio de vacas dentro, aliás).
Decidimos ficar apenas 2 dias, pois conseguimos ver tudo que queríamos. Optamos por contactar o cara da moto para devolvê-la antes do tempo (o menino do hostel fez a ligação por nós). Ele concordou e ainda nos devolveu 20 MYR.




Pantai Cenang é uma praia muito legal. O sunset é lindo e tem diversos bares para tomar aquele drink. O centrinho é bem movimentado e oferece diversas opções de comida (desde restaurantes até street food). A dica é sempre pedir sem gelo e tomar sempre água mineral.
O Hostel escolhido foi o Tubotel (bem legalzinho e tudo), mas ele é bem caro comparado aos outros, por isso não indicamos. Para 1 noite pagamos 128 MYR (R$ 98,00). Basta fazer uma pesquisa nos sites de hostels e guest houses que você encontra outras opções mais acessíveis. No segundo dia nos hospedamos no Mafioso Guest House, e pagamos 65 MYR (R$50,00) sem compartilhar banheiro, esse a gente indica. Ele fica em Kuah, do outro lado da ilha e perto do Jetty, o porto de onde partem os ferries para deixar a ilha.
Para andar com a moto é sempre importante lembrar que você deve portar sua carteira de motorista, juntamente com a carteira internacional (eles só alugam com essa documentação). Nós não vimos a polícia, mas nunca se sabe.
Não vá para este lugar esperando luxo. Claro que é possível, uma vez que existem muitos resorts com praias “particulares”, mas o legal mesmo é fazer tudo da maneira mais local possível. Comer em restaurantes que estejam cheios de malasianos é sempre uma dica infalível. Se você não gosta muito de pimenta, nunca esqueça de pedir NO SPICY! Abra a mente e prove novas receitas. Nós pagamos por 2 pratos e água um total de 12 MYR (R$ 12,00), e os preços variam de acordo com o estabelecimento. Nasi Goreng seafood é uma delícia e tradicional, por isso não tenha medo de pedir para a garçonete.
Espero que as dicas ajudem!
Instagram: @zzandoporai
Quer ser nossa Correspondente? Entre em contato através do email necamcorrespondentes@gmail.com e compartilhe conosco todas as suas lindas aventuras!

Comentários

Comentários

Mulheres tão particulares, com um único objetivo em comum, viver as melhores (e maiores) aventuras já vistas. Juntas ou sozinhas, nós queremos é viver! E compartilhar nossas experiências para que possamos inspirar cada vez mais, outras mulheres.



O que achou desse post?


%d blogueiros gostam disto: