Ilha do Japonês, bora conhecer?

Ilha do Japonês, bora conhecer?

Muitas vezes ficamos tão empolgados para explorar o mundo inteiro que esquecemos de conhecer o que temos de bom pertinho da gente. A região dos Lagos, aqui no Rio de Janeiro , é onde ficam as cidades com as praias mais bonitas e acessíveis, e Cabo Frio é uma delas. Já estive lá diversas vezes, mas só recentemente tive a chance de conhecer um lugarzinho especial da cidade, que vale a visita: a Ilha do Japonês. Passei um fim de semana por lá e vou contar um pouco de como foi.

Hospedagem:

Eu optei por me hospedar na Passagem, um bairro fofo cheio de construções históricas e uma arquitetura linda e preservada – me lembrou bastante o centro histórico de Paraty, também no Rio de Janeiro. O lugar que escolhi foi o Hostel Cabo Frio, que fica a 700m da Ilha, e recomendo demais. É um misto de albergue com pousada, ou seja, você pode optar por quartos individuais ou quartos coletivos, de acordo com o seu estilo de viagem e orçamento disponível. Mas independente do quarto escolhido, saiba que o estabelecimento inteiro é super aconchegante, com uma decoração praiana linda, áreas comuns agradáveis e café da manhã delícia. Veja mais informações sobre o hostel aqui.

Sobre a Ilha:

A Ilha do Japonês é um pequeno balneário que fica localizado no canal do Itajuru. É uma ótima opção para famílias e crianças, pois lá as águas são super calmas e rasas. Muito gostoso!

Como eu disse, me hospedei bem pertinho do cais, dava para ir andando. Lá, peguei um barquinho que me levou até a Ilha em um trajeto de cerca de 10 minutos. Cada trecho custou R$ 7,00, mas é preciso deixar o retorno pago também, e quando você quiser voltar, é só ligar para o barqueiro que ele vai te buscar. Mas a ilha é acessível de várias formas: você também pode ir de carro ou até mesmo andando, quando a maré está baixa. Se você optar por ir de carro, deve pegar a ponte Feliciano Sodré e depois seguir em direção à praia do Peró. Fique atento às placas, é tudo bem sinalizado. Lá, você vai pagar R$ 10 por uma vaga no estacionamento. Chegue cedo, pois a Ilha fica bem cheia e o risco de não encontrar vagas é grande.

De um lado da Ilha, somente areia e vegetação. As pessoas geralmente levam tudo: desde cadeira de praia e guarda-sol até lanchinhos e bebidas para curtir o dia inteiro sem gastar nada no local. Já do outro lado da Ilha ficam os quiosques dos restaurantes. Lá você conta com banheiros, ducha de água doce, almoço e petiscos com preços bem razoáveis (considerando que a cidade é turística, é claro), cervejinha gelada e em alguns deles, música ao vivo. Porém, se você optar por ficar lá, saiba que vai precisar desembolsar um valor mínimo em consumação – mas a boa notícia é que alguns quiosques aceitam cartão.

Daí, escolha um pedacinho de areia para chamar de seu, deixe suas coisas e vá curtir e relaxar nas águas claras. Ou se preferir um pouco mais de agitação, alugue um stand up paddle ou um caiaque por cerca de R$ 30 o período de meia hora: como eu disse, as águas são muito tranquilas e tudo fica mais fácil, mesmo para quem é iniciante.

Outras informações:

1) Se tiver disponibilidade, prefira conhecer a Ilha durante a semana. Nos fins de semana, ela fica beeeem cheia. Mas se você (assim como eu) só puder mesmo ir no fim de semana, tente ir o mais cedo possível. Dá para aproveitar bastante de manhã e ir embora quando muita gente está chegando, no horário de almoço.

2) Fique atento à maré que sobre no decorrer do dia. Eu fui andando para o lado da Ilha onde ficam os quiosques, pois a maré ainda estava baixa, mas acabei me distraindo e na hora de voltar, a maré subiu demais. Tive que pegar um outro barquinho para me levar para o lado da ilha onde o meu barqueiro inicial estaria me esperando, o que custou mais R$ 5 por pessoa. Sim, é bem baratinho mesmo, então a dica é não esquecer de ter sempre um trocado guardado para esses imprevistos.

3) Leve suas coisas em uma bolsa impermeável, onde seus eletrônicos (câmera, celular) fiquem protegidos da água. Uma maré subindo inesperadamente ou um tropeço ao descer de um barco pode acabar virando um problemão – foi exatamente assim que fiquei sem meu celular…

4) Para ir de ônibus do Rio de Janeiro a Cabo Frio, você vai gastar entre R$ 120 e R$ 160 (ida + volta) e a viagem leva em média 3h30. Informações daqui.

Espero que as dicas tenham sido úteis! E você, ficou curioso para conhecer a Ilha do Japonês? Já conhece? Conte para a gente nos comentários!

Quer conhecer outros lugares lindos na Região dos Lagos? Veja também nossos posts sobre Búzios e Arraial do Cabo!

Comentários

Comentários

34 anos de estrada, adora se perder por aí, mesmo com um mapa debaixo do nariz. Vegetariana, pesquisadora e eterna curiosa do mundo.



2 thoughts on “Ilha do Japonês, bora conhecer?”

O que achou desse post?


%d blogueiros gostam disto: