Gastronomia Na Estrada com as Minas

Experiências gastronômicas em São Paulo – com gastos

Vocês que acompanham os stories no Instagram – ainda não nos segue? Corre lá @naestradacomasminas sabem que eu agora não quero mais sair de São Paulo. Qualquer oportunidade estou correndo para lá. Ainda mais com o benefício do ID JOVEM, que me garante viagens interestaduais a preço de banana, eu aproveito e corro para a terra da garoa que ganha cada vez mais o meu coração.

LEIA MAIS SAIBA COMO VIAJAR DE GRAÇA PELO BRASIL UTILIZANDO O ID JOVEM

No último final de semana, fui a São Paulo para visitar o hotel Golden Tulip e a Bienal do Livro – semana que vem tem mais, fiquem de olho! E vivi lindas experiências gastronômicas e vou contar para vocês.

Mercado Municipal

Uma das minhas maiores frustrações era ir a São Paulo tantas vezes e nunca ter tido chance de conhecer alguns pontos turísticos. E um dos principais pontos que sempre tive vontade de conhecer era o Mercado Municipal, lugar que reúne uma variedade incrível de mercearias com condimentos, frutas exóticas, entre outras especiarias. Mas dessa vez, como eu teria um tempinho antes de começar a jornada de trabalho eu aproveitei para conhecer o lugar que sempre me deixou curiosa.

Para quem conhece o Rio de Janeiro , vai entender quando eu digo que o Mercado Municipal parece o Mercadão de Madureira, três vezes menor e melhor segmentado, eu não tive tempo de olhar tudo, mas pelo que vi no Mercado Municipal podemos encontrar boxes com os mais variados e raros tipos de fruta, verduras, legumes e laticínios, é como se fosse uma grande praça de alimentação mesclada com uma poderosa mercearia.

Como um dos programas mais famosos de São Paulo, a primeira parada obrigatória foi no Bar do Mané, onde vendem o tradicionalíssimo sanduíche de mortadela e claro que eu não poderia deixar de experimentar.

Com tantas opções no cardápio fica difícil fazer uma escolha coerente, mas me esforcei ao máximo para me concentrar e não cometer nenhum excesso – apesar de ter falhado miseravelmente na missão.

Então pedi meu pingado – que já é padrão, acho que começarei a fazer resenhas de pingados por que onde vou preciso tomar um. E pedi meu sanduíche. Quando o garçom trouxe o “monstro” eu respirei fundo e refleti se conseguiria comer tudo aquilo – que bom que sempre há a opção de levar para a viagem.

O sanduíche que pedi custou R$ 24 e o meu pingado R$ 3,50. E os ingredientes eram: várias camadas de mortadela, queijo para mais de mês, alface e se eu quisesse poderia colocar tomate também, mas pedi que tirasse já que não sou muito chegada. Dei graças a Deus que veio dividido ao meio porque como previsto não consegui comer tudo e a outra metade virou meu almoço mais tarde.

Após essa incrível experiência, continuei andando para conhecer mais do Mercado, assim que cheguei fiquei encantada com todas as lojas e me arrependi de não ter comprado o azeite e a pimenta rosa que fiquei namorando um tempão, mas na próxima com certeza!

Antes de começar a experimentar algumas delícias eu passei em frente a uma barraca famosa, a Barraca do Juca, a verdadeira barraca da novela “A Próxima Vítima”, de 1995.

Então eu fui fisgada por uma barraca de frutas, com uma impressionante variedade de frutas exóticas que me deixaram de queijo caído. Eu vacilei e não gravei a apresentação do cara sobre todas as frutas de tão impressionada que fiquei com os diferentes sabores, cores e texturas. É uma experiência que vocês precisam viver para saber.

Mas sem sombra de dúvidas algumas frutas me marcaram mais, só que infelizmente não lembrarei o nome de todas, mas vou tentar.

Morango gigante

Salada de frutas dentro do maracujá

Lembro que uma das coisas que me fizeram parar na barraca era um morango gigante e vistoso arrumado em uma bela pilha. Depois disso eu experimentei os morangos, toranja, kiwi fundido com banana, laranja fundida com mexerica, uma fruta que lembra cereja, mas tem gosto de ameixa – risos – outra fruta que parece fruta do conde respingada de limão siciliano, uma manga docinha entre outras frutas. No próximo sábado, espero voltar lá e fazer uma matéria decente sobre todas as frutas exóticas que experimentei, mas recomendo!

Festa de Nossa Senhora da Achiropita

Mais tarde, quando saí da Bienal encontrei uns amigos e seguimos rumo ao bairro Bixiga, na região Central de São Paulo para a tradicional festa de Nossa Senhora da Achiropita, que começou no último sábado (04) e vai até 2 de setembro. Serão cinco finais de semana de muita festa e comida boa.

Com 30 barracas instaladas servindo os mais diversos pratos típicos italianos, os organizadores esperam mais de 25 mil pessoas ao longo dos dez dias de festa. Os principais pratos que você encontrará são: fogazzas, fricazza, polenta, antepasti, peperoni, macarrão, pizzas, além de doces e bebidas.

Eu como não sou boba enfiei o pé na jaca e experimentei alguns pratos como o spaghetti ao molho sugo – que estava uma delícia e custou apenas R$ 14,90 – a fogazza – que era enorme e custou somente 10 white golpinhos. O Chopp de vinho, cujo a barraca emanava um cheiro de canela inebriante e me ganhou pelo cheiro – pela bagatela de R$ 6. E ainda um foundue de chocolate com morangos – R$ 7 – e um beijinho de coco – R$ 5.

Foi ou não um dia muito proveitoso pelo ponto de vista gastronômico? Eu já estou louca para voltar a São Paulo e experimentar as outras delícias da festa da Achiropita e conhecer claro, outros restaurantes e bares da região.

E vocês? O que mais gostam de comer em São Paulo? Qual o prato ou restaurante que você gostaria de ver por aqui? Deixe um comentário com a sua dica.

Comentários

Comentários

Na Estrada com as Minas

Mulheres tão particulares, com um único objetivo em comum, viver as melhores (e maiores) aventuras já vistas. Juntas ou sozinhas, nós queremos é viver! E compartilhar nossas experiências para que possamos inspirar cada vez mais, outras mulheres.

«

»

O que achou desse post?