67 dias na estrada: Mochilão pelo Norte e Nordeste do Brasil – Débora Pinheiro

67 dias na estrada: Mochilão pelo Norte e Nordeste do Brasil – Débora Pinheiro

Dizem que relatar uma viagem é revivê-la, então vim contar para vocês um pouco do que vivi no final de 2016. Há exatamente um ano atrás estava viajando pelo Norte e Nordeste do País! Sem destino certo, sem hora para voltar, com uma mochila de 50 litros nas costas, menos de mil reais na conta, mas com muita coragem no peito.

Foram 67 dias na estrada, 7 estados visitados, entre eles: Tocantins, Maranhão, Piauí, Ceará, Paraíba, Rio Grande do Norte e Pernambuco. Foram mais de 9 mil kms percorridos, utilizando 2 aviões , vários ônibus, carros, motos, buggys e quadriciclos . Aproveitei muito o couchsurfing, fiquei na casa de amigos e troquei trabalho por hospedagem, colhi fruta do pé pela primeira vez na vida, aprendi a subir em árvores e a lavar minhas próprias roupas na mão.

LEIA TAMBÉM VOCÊ SABE O QUE É COUCHSURFING?

Minha jornada começou em São Paulo, peguei um avião rumo a Palmas, no Tocantins, onde um amigo disse que iria me encontrar para seguirmos viagem juntos, porém ele nunca apareceu e eu segui sozinha! Viajar sozinha e com tempo me possibilitou viver experiências que jamais tinha imaginado viver em uma viagem. Aprendi sobre simplicidade , e como viver em um lugar bruto e lindo como o Jalapão, vi as dificuldades das pessoas que vivem naquele lugar. Fui praticamente adotada por uma família humilde na Chapada das Mesas e aprendi em poucos dias, muito mais sobre amor ao próximo do que em muitos anos. Ganhei de presente de aniversário um tour de buggy pelos lençóis maranhenses com direito a dormir na pousada que fica dentro do parque nacional, vi inúmeras estrelas cadentes quando a noite chegou e tive a honra de participar do aniversário de uma das caiçaras da região. Recebi inúmeros abraços, sorrisos, ajuda das mais diferentes pessoas, e vi minha fé na humanidade renascer, e que muita gente ajuda os outros sem esperar nada em troca. Vi e conheci lugares que não parecem reais de tão belos, aplaudi várias vezes o pôr do sol, aprendi que para viajar dessa forma você precisa aprender muito sobre encontros e despedidas, e que não é fácil se despedir de pessoas que marcaram sua vida em tão pouco tempo, e muito menos lidar com a saudade de casa, da família e amigos.

Apesar do pouco dinheiro que tinha, não passei fome em nenhum momento da viagem, retornei para São Paulo, uma pessoa muito mais grata. Foi uma viagem bem roots, com muitos perrengues , assédio pelas ruas, saudades de casa, da minha família, da minha cama, de chuveiro quente, dos amigos. Mas foi uma viagem regada de aprendizado e crescimento pessoal, além de paisagens de tirar o fôlego a todos os momentos.


Em resumo se essa viagem pode ensinar alguma coisa é que não devemos deixar que o medo nos faça desistir dos nossos sonhos, e muito menos deixar de acreditar neles. O maior passo para a realização dos seus sonhos é coragem !

Gratidão, e um abraço a todos que me ajudaram nessa e em muitas outras trips.

No meu instagram têm dicas dessa e de outras viagens e caso queira tirar alguma dúvida , só mandar uma mensagem lá também @deborapinheiro7

Comentários

Comentários

Mulheres tão particulares, com um único objetivo em comum, viver as melhores (e maiores) aventuras já vistas. Juntas ou sozinhas, nós queremos é viver! E compartilhar nossas experiências para que possamos inspirar cada vez mais, outras mulheres.



O que achou desse post?


%d blogueiros gostam disto: